quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Plano Nacional de Educação

Entenda o que é o PNE (Plano Nacional de Educação): 

Em 2014, o Congresso Federal sancionou o Plano Nacional de Educação (PNE) com a finalidade de direcionar esforços e investimentos para a melhoria da qualidade da educação no país. Com força de lei, o PNE estabelece 20 metas a serem atingidas nos próximos 10 anos. Os principais desafios do plano estão relacionados à evolução dos indicadores de alfabetização e inclusão, à formação continuada dos professores e à expansão do ensino profissionalizante para adolescentes e adultos. Não parece interessante? Então continue acompanhando nosso guia para conhecer mais detalhes sobre o PNE!

O que é Plano Nacional de Educação?

O Plano Nacional de Educação (PNE) foi aprovado em 26 de junho de 2014 e terá validade de 10 anos. Esse plano estabelece diretrizes, metas e estratégias que devem reger as iniciativas na área da educação. Por isso, todos os estados e municípios devem elaborar planejamentos específicos para fundamentar o alcance dos objetivos previstos — considerando a situação, as demandas e necessidades locais.

Quais são as metas do PNE?

O Plano é composto por 20 metas que abrangem todos os níveis de formação, desde a educação infantil até oensino superior, garantindo foco em questões especialmente importantes (como a educação inclusiva, o aumento da taxa de escolaridade média dos brasileiros, a capacitação e o plano de carreira dos professores), além de aspectos que envolvem a gestão e o financiamento desse imenso projeto. Confira agora quais são as 20 metas do Plano Nacional de Educação:

1. Educação infantil

No que diz respeito à educação infantil, o Plano Nacional prevê que, até 2016, todas as crianças com idade entre 4 a 5 anos devem estar matriculadas na pré-escola. Além disso, o plano estabelece que a oferta de vagas em creches seja ampliada em 10 anos, de forma a atender no mínimo 50% das crianças com menos de 3 anos.

2. Ensino fundamental

Nesse caso, a meta determina que, até o último ano de vigência do Plano, toda a população brasileira entre 6 a 14 anos de idade deve estar matriculada no ensino fundamental com duração de 9 anos. Além do mais, a taxa de conclusão dessa etapa deve ser de ao menos 95%, garantindo a formação básica dos alunos na idade correta.

3. Ensino médio

O Plano Nacional de Educação decreta que, até 2016, toda a população brasileira entre 15 a 17 anos esteja frequentando o ensino médio. A meta também inclui elevar, até 2024, a taxa líquida de matrículas para 85%.

4. Educação inclusiva

O Plano também prevê que todas as crianças e os adolescentes entre 4 a 17 anos com algum tipo de deficiência, transtornos de desenvolvimento, habilidades especiais ou superdotação devem ter acesso à educação básica e ao atendimento especializado — preferencialmente por meio da rede regular de ensino e de um sistema efetivo de educação inclusiva.

5. Alfabetização

A meta é alfabetizar todas as crianças até, no máximo, o final do 3º ano do ensino fundamental. Porém, de acordo com dados de 2014, os indicadores de aprendizagem dessas crianças, apontam que apenas 77,8% estão aptas a ler com desenvoltura, 65,5% a escrever corretamente e 42,9 % têm conhecimentos adequados em Matemática.

6. Educação integral

Até 2024, o Plano Nacional de Educação pretende disponibilizar educação em tempo integral em metade das escolas públicas do país, de modo a atender, no mínimo, 25% dos alunos da educação básica.

7. Aprendizado adequado na idade certa

O Plano também visa conquistar melhores médias nacionais para o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). Nesse caso, as metas também são progressivas e bianuais.

8. Escolaridade média

O Plano Nacional de Educação prevê um incremento na escolaridade média da população entre 18 a 29 anos, de forma a atingir 12 anos de estudo. Essa meta abrange moradores de zonas rurais (regiões com as menores taxas do país e os 25% mais pobres), além de nivelar esse indicador entre negros e não negros — de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

9. Alfabetização e alfabetismo de jovens e adultos

Em 2015, a taxa de alfabetização de jovens e adultos com 15 anos ou mais deveria ser de 93,5%, mas os números indicam uma taxa de 91,7%. Até 2024, o Plano Nacional pretende erradicar o analfabetismo absoluto e reduzir em 50% a taxa de analfabetismo funcional no país, que em 2015 estava em 27%.

10. EJA integrada à educação profissional

O Plano também enfatiza a importância de alinhar os ensinos fundamental, médio e profissionalizante, de modo que ao menos 25% das matrículas de Educação de Jovens e Adultos (EJA) integrem esses aprendizados. Entretanto, os dados de 2014 apontam que apenas 0,4% dos alunos do EJA de ensino fundamental têm essa integração. No ensino médio, a porcentagem sobe para 3,3%.

11. Educação profissional

Nesse caso, a meta é triplicar as matrículas nos cursos técnicos de nível médio, assegurando a qualidade da educação e um crescimento de 50% no número de vagas em escolas públicas. Até 2024, a intenção é chegar aos 5.224.584 alunos matriculados. Mas, na prática, o índice alcançou somente 33% desse total em 2014.

12. Educação superior

O Plano Nacional para a educação superior, que envolve a população entre 18 a 24 anos, determina o crescimento da taxa bruta de matrículas para 50% e a taxa líquida, para 33%. Nesse sentido, 40% das novas matrículas devem ser em escolas públicas.

13. Titulação de professores da educação superior

O PNE também prevê mais mestres e doutores no corpo docente das instituições de ensino superior, atingindo os 75%. Além disso, o quadro deve ser composto por no mínimo 35% de doutores.

14. Pós-graduação

Essa meta determina um aumento gradual do número de professores matriculados em cursos de pós-graduaçãostricto sensu, de modo a atingir a titulação anual de 60 mil mestres e 25 mil doutores.

15. Formação de professores

Nesse ponto, o Plano Nacional de Educação garante uma parceria entre a União, os estados e municípios para a criação de uma política nacional de capacitação dos profissionais da educação. Em 2014, apenas 76,2% dos professores da educação básica haviam concluído o ensino superior e 49,1% dos professores dos anos finais da educação fundamental possuíam licenciatura voltada às disciplinas que lecionavam.

16. Formação continuada e pós-graduação de professores

O PNE diz ainda que, até 2024, metade dos professores da educação básica devem ter uma pós-graduação direcionada à sua área de conhecimento.

17. Valorização do professor

Essa meta está relacionada à valorização dos profissionais do magistério das redes públicas da educação básica por meio de uma equiparação salarial com outros profissionais que possuem escolaridade equivalente. De acordo com o PNE, o prazo se encerra no final de 2020.

18. Plano de carreira docente

O Plano também determina, até 2016, a criação de um plano de carreira para os profissionais da educação básica e superior pública de todos os sistemas de ensino — tendo como base o piso salarial nacional definido na Constituição Federal.

19. Gestão democrática

O PNE pretende assegurar as condições necessárias para uma gestão democrática da educação, que deve englobar critérios técnicos de mérito e desempenho, além de consultas à comunidade escolar. Para isso, prevê recursos e apoio do governo federal.

20. Financiamento da educação

Uma das metas mais ambiciosas do Plano Nacional de Educação (e que sustenta boa parte dos demais objetivos) visa ampliar o investimento da União em educação pública, de forma a atingir 7% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2019 e o equivalente a 10% do PIB até 2024.

O PNE é do governo federal?

O Plano Nacional de Educação é um projeto que envolve responsabilidades compartilhadas entre a União, os estados e municípios com a finalidade de melhorar consideravelmente a qualidade da educação no Brasil. Por ter vigência igual a 10 anos, sobrepõe-se às gestões e aos mandatos, devendo se manter ativo apesar de mudanças de condução político-partidária. Na verdade, trata-se de um planejamento de médio prazo, que visa orientar todas as ações na área educacional, exigindo seriedade e engajamento de todas as partes. Cabe assim aos estados e municípios a elaboração de um planejamento regional, alinhado às metas predefinidas pelo plano.

Quanto o Brasil investe em educação atualmente?

Em 2012, apenas 5,3% do Produto Interno Bruto (PIB) foi investido em educação. A meta do Plano Nacional é que o país passe a investir o equivalente a 10% do PIB até 2024. Isso deverá representar cerca de de 50 bilhões de reais destinados anualmente à educação. Lembrando que esse aumento deve ser progressivo, atingindo 7% nos próximos 5 anos para chegar a 10% nos 5 anos seguintes.

De onde virá o dinheiro para sustentar esse investimento?

Uma das principais fontes de recursos são os royalties do petróleo. Uma lei sancionada em 2013 estabelece que 75% desses valores e 50% do Fundo Social do Pré-Sal sejam designados à educação. Mas, de fato, governo federal também deve buscar novas alternativas para garantir o sucesso do PNE.

O que é Custo Aluno-Qualidade inicial?

O Plano Nacional de Educação estabelece que, até 2016, será implantado o conceito de Custo Aluno-Qualidade inicial (CAQi), um valor de investimento mínimo per capita para garantir a qualidade do ensino de cada etapa da educação básica. Esse indicador terá como base um conjunto de padrões estabelecidos na legislação educacional e será calculado por meio dos gastos com os insumos indispensáveis ao processo de ensino-aprendizagem. O CAQi será periodicamente reajustado até a implementação final do Custo Aluno-Qualidade (CAQ).

Haverá aumento do número de vagas no ensino superior?

Uma das metas do plano é exatamente elevar a taxa de matrículas na educação superior, envolvendo principalmente a população entre 18 a 24 anos. Em relação a esse tópico, vale ressaltar que 40% das novas matrículas devem acontecer em escolas públicas de ensino.

O dinheiro do PNE poderá ser investido na educação privada?

O Plano Nacional de Educação também prevê investimento na educação privada, já que define estratégias direcionadas ao aumento de matrículas no ensino superior, a ampliação do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES) e do Programa Universidade para Todos (ProUNI). E para garantir a evolução do número de matrículas na educação profissional, o Plano contempla um aumento na oferta de financiamento estudantil disponibilizado em instituições particulares.

O salário dos professores vai aumentar?

A previsão é que o salário dos docentes aumente gradativamente. Algumas metas do Plano estão vinculadas justamente à valorização do professor e do magistério, à capacitação da carreira de docentes. Um dos objetivos é igualar o rendimento médio dos profissionais das redes públicas de educação básica ao dos profissionais de outras áreas, com escolaridade correspondente.

E se o município não oferece ensino superior nem cursos profissionalizantes?

Na prática, nem todo município possui escolas capazes de disponibilizar esse tipo de curso. Entretanto, o acesso à formação é um direito garantido. Assim, caso a cidade já possua a infraestrutura, o Plano deve considerar o aumento das vagas — mas a responsabilidade direta não é da prefeitura. Nesse caso, é preciso que haja compromisso das autoridades estadual e federal para a consolidação das metas do Plano Nacional de Educação. Os municípios que não possuem essa condição têm 2 alternativas. A primeira é contemplar essa meta no Plano e buscar parcerias para viabilizar a iniciativa. A segunda (quando não existe a possibilidade de garantir essa oferta) consiste em apoiar os moradores, facilitando o acesso ao ensino a distância (EaD) ou a cursos em outros municípios próximos.

O MEC possui algum programa de apoio aos municípios?

Há um conjunto de iniciativas, ações, programas e políticas do MEC que servem para apoiar a conquista das metas previstas no Plano Nacional de Educação. O Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar (PNATE), o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego (PRONATEC) e a Universidade Aberta do Brasil (UAB) são apenas alguns exemplos.

Qual é a meta de investimento no PNE?

A meta é ampliar o investimento em educação pública de maneira a atingir 7% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2019 e 10%, até o final do programa.

O Plano Nacional vai gerar um número maior de vagas em creches?

O PNE estabelece que, até 2024, metade das crianças com até 3 anos de idade devem estar matriculadas em creches públicas e 100% das que têm entre 4 ou 5 anos de idade devem frequentar a escola.

Quem será responsável por fiscalizar o cumprimento do PNE?

O acompanhamento do cumprimento das metas do Plano Nacional deve ser realizado pelo Ministério da Educação (MEC), pela Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal, pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) e pelo Fórum Nacional de Educação. Esse monitoramento deve ser contínuo e estar baseado em documentos e indicadores — como estudos do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), que serão preparados e publicados a cada 2 anos, durante a vigência do PNE.
Qual ou quais desses tópicos sobre o Plano Nacional de Educação você gostaria de saber com mais detalhes? Deixe um comentário aqui e iremos escrever para você!
E para se aprofundar ainda mais no universo educacional, baixe também nosso e-book sobre a Base Nacional Comum Curricular clicando aqui ou na imagem a abaixo!


Expressamos a todos nosso mais profundo agradecimento e reconhecimento.

domingo, 11 de setembro de 2016

Lançamento Educooopedia



Los invitamos a todos al lanzamiento de la plataforma de Educooopedia
Estaremos Transmitiendo en Vivo desde la misma web.

www.educooopedia.info
Agradecemos que puedan difundir la invitación


Copyleft © 2016 Educooopedia, Derechos Públicos
Recibes este mail por ser parte de la lista de Educooopedia

Datos de Contacto:
Educooopedia
Viera 2401
Salto 50000
Uruguay

Email Marketing Powered by MailChimp



Expressamos a todos nosso mais profundo agradecimento e reconhecimento.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Creche municipal em SP tem ioga, meditação e merenda vegetariana

O CEI oferece educação integral gratuita para 110 crianças com idade entre um e três anos.


As atividades estão baseadas nos ideais universalistas do Neo-Humanismo. | Foto: Divulgação

O Centro de Educação Infantil Lar de Crianças Ananda Marga é um verdadeiro oásis em meio à periferia de São Paulo. Localizada no Jardim Peri, bairro pobre da capital e marcado por violência, a instituição leva uma filosofia humanista às crianças e foge aos padrões tradicionais da educação.
O CEI é administrado pela ONG Amurt-Amurtel e, através de parceria com a prefeitura de São Paulo, oferece educação integral gratuita para 110 crianças com idade entre um e três anos.
De acordo com o próprio site da organização, “as atividades estão baseadas nos ideais universalistas do Neo-Humanismo”. Assim sendo, as crianças têm oportunidade de praticar ioga, meditação e vivenciar valores como respeito, compaixão e cooperação.
Todas as atividades realizadas na creche são pensadas para o bem-estar da criança e para que ela tenha a melhor formação pessoal e social possível. A instituição se preocupa, até mesmo, em trabalhar formas de neutralizar a violência a que estão constantemente expostas. “Como no ambiente familiar destas crianças muitas vezes predomina a violência, elas recebem os benefícios de uma massagem de origem indiana, que no Ocidente é chamada de Shantala”, diz o site da organização.
Para completar este arsenal holístico, a creche também garante que a alimentação das crianças dentro da instituição é totalmente vegetariana, com grande variedade de frutas e vegetais.
Veja no vídeo abaixo como funciona a metodologia aplicada ao CEI Ananda Marga:

Primeira creche sustentável de São Paulo – Jardim Guarani

Foi inaugurada nossa primeira ação sustentável em São Paulo abrangendo as dimensões ecológica, social e econômica, é a nova creche no Jardim Guarani!
Dimensão Ecológica
Esta unidade conta com tecnologias sustentáveis como aproveitamento de água de chuva, aquecedor de água solar de baixo custo, eficiência energética, horta/jardim vertical, pintura em terra e materiais de demolição e ecológicos.
Dimensão Social
A dimensão social fica por conta da inclusão da comunidade por meio de cursos das tecnologias implantadas, bem como a principal proposta da creche que é a educação e cuidados básicos na primeira infância.
Dimensão Econômica
A questão econômica se dá pelo fato destes cursos serem profissionalizantes e capacitarem tecnicamente para geração de trabalho e renda, são os chamados Empregos Verdes.
Conheça melhor essa creche clicando aqui.

Expressamos a todos nosso mais profundo agradecimento e reconhecimento.

quinta-feira, 31 de março de 2016

DECLARAÇÃO AZUL

D  E  C  L  A  R  A  Ç  Ã  O
das crianças de Hoje e do Amanhã
Declaração CHM ou Declaração Azul

Nós, as crianças de hoje e do amanhã, viemos até Vocês para lembrar a necessidade de mudar a Educação neste Planeta Terra, neste Mundo. Muitos seres se unem ao nosso pedido: os bebês, as crianças, os jovens, somos milhões, bilhões… e mais outros bilhões estão por chegar. Por favor, atendam ao nosso Pedido com o Coração.

Nós, as Crianças de Hoje e do Amanhã
Nós, as Crianças do Mundo

Declaramos:

·         Que desejamos um mundo em Paz
·         Que desejamos um Mundo sem fome
·         Que desejamos um Mundo sem guerras
·         Que desejamos um Mundo que cuide da nossa Terra e dos animais
·         Que desejamos um Mundo com AMOR


Nós, as Crianças de Hoje e do Amanhã
Nós, as Crianças do Mundo

Solicitamos:


1.     Que a primeira mudança que se faça neste mundo seja a EDUCAÇÃO, já que nos cabe ir quase todos os dias à  Escola (E é muito!). Necessitamos uma Educação que nos permita conectar com nosso Ser. E sermos ouvidos.

2.     Que a Educação que nos brindem:
·         Seja útil
·         Seja solidária
·         Nos prepare de verdade para o Futuro
·         Seja divertida, que não seja algo que nos aborreça
·         E que os professores nos tratem bem, que sejam amáveis, que não gritem conosco, nem nos julguem

3.     Que a forma de nos educar:
·         Seja juntos, lado a lado
·         Nos deixe florescer
·         Nos permita se expressar
·         Nos deixe descobrir e aprender por si próprio
·         Seja em equipe e sem competição

4.     Que os conteúdos sejam:
·         Aplicados
·         Amplos
·         Interessantes (tendo em conta o que desejamos aprender)
·         E que potencializem nossos talentos

Queremos e necessitamos:
                      4.1 Muita atividade física: que permita nos movimentar, correr, pular e desfrutar de um corpo saudável.

                      4.2 Muitos conhecimentos interessantes: estamos desejosos de aprender e aprender mais matérias
novas e atualizadas.

                      4.3 Muitos conhecimentos do Mundo: conhecer os países, as culturas, o que está acontecendo. Para conseguir a Paz Mundial necessitamos conhecer o Mundo e necessitamos ter boas ferramentas de comunicação.

4.4 Muitas Artes e espaços para criar: para podermos nos expressar, cantar, pintar e dançar.

4.5 Muitas atividades com a Natureza que nos permitam conhecer a Terra. Desejamos tocá-la, conhecer as plantas, os animais, as pedras, conhecer nosso Planeta Terra para que possamos ajudá-lo. Este é nosso compromisso.
4.6 Muita ação. Nós gostamos de fazer, construir, sentir que somos úteis. Tudo o que aprendemos, desejamos aplicar. Não nos esqueçamos de ser práticos, pois viemos para reconstruir um Planeta.
4.7 Mais do que nunca, precisamos de matérias que permitam que nos conectemos consigo mesmo. Desejamos uma conexão direta com nosso próprio coração, ter matérias mais "profundas". Nós compreendemos muitas coisas. Permitam que possamos desenvolver nossa "inteligência inata" e talentos.
4.8 E além de tudo, se não nos compreendem completamente, simplesmente nos ame, tanto quanto nós amamos Vocês.

5.     Que primeiro se considere o SER humano:
·          Pedimos que nos vejam como seres humanos que necessitam dar e receber AMOR, depois então vêm  as matérias.
·          Somos as crianças do Mundo, as que irão reconstruir a Sociedade e cuidar do Planeta. Se somos felices fazemos melhor, muito melhor.
·          Pedimos que Vocês, os adultos sejam felizes também, brinquem, riam e divirtam-se conosco. Isso nos faz felizes, muito felizes.

6.     Lhes pedimos que verdadeiramente cuidem de nós:
·        Deixem-nos sonhar
·        Jamais nos apaguem
·        Jamais nos maltratem, jamais batam em nós
·        Jamais cortem nossas asas, nos permitam voar

7.     E finalmente, lhes pedimos que nos ensinem:
·          com Entusiasmo
·          e com a Verdade

Nós, as crianças de Hoje e do Amanhã
Nós, as Crianças do Mundo

Este é nosso pedido, o pedido de milhões de Crianças do agora e dos milhões de crianças que estão por vir. O pedido da própria Terra, de Pacha Mama, o pedido da Humanidade em movimento e o da Humanidade que segue adiante.

Somos bilhões. Somos o futuro. Somos sua ESPERANÇA

Com Amor.
As Crianças do Mundo

Escrito em 04/06/2015 na Iha do Sol, Bolívia
Revisado no Uruguai em 22/07/2015
Lançado em 08/08/2015 para ser assinado em todo o mundo.
ASSINO AGORA pelas Crianças.
Para assinar a Declaração Azul em espanhol: www.pedagooogia3000.info/declaracion

Documento promovido pela Pedagooogia e emAne,

 enlace mundial parA uma nova educação.
                                                               



Expressamos a todos nosso mais profundo agradecimento e reconhecimento.